emdefesadasarvores@gmail.com

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

À vontade do freguês


Poda selvagem e irresponsável ao Plátano do Largo Marquês do Lavradio (Alfama) feita pela Junta de Freguesia de Santa Maria maior. 

Esta é mais uma situação a juntar à mutilação da Bela-Sombra do Limoeiro, dos Jacarandás do Largo do Carmo (a Nascente), das Oliveiras de Santo Estevão e das Laranjeiras da Sé. O património arbóreo da freguesia já é pequeno, por este andar um dia será nulo.

Santa Maria Maior é um exemplo evidente de gestão danosa do arvoredo.



sexta-feira, 28 de julho de 2017

Um Regulamento Municipal do Arvoredo que descartou o seu sujeito: as Árvores!

No passado dia 18 de Julho, a Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou o Regulamento Municipal do Arvoredo (RMA).

Da proposta inicial 799/CM/2015, que deu entrada na AML em 23 de Dezembro de 2015, pouco ou nada resta do espírito normativo que o consagrava. Após mais de um ano e meio retido na AML, eis que prevaleceram as pretensões das Juntas de Freguesia (JF), num desfecho sem a necessária consulta pública.

Se a manta de retalhos na gestão do arvoredo já vinha a evidenciar-se no terreno, consignada pelas sucessivas Delegação de Competências da Câmara Municipal de Lisboa (CML) para as JF, ficou agora legitimada por um dito "Regulamento" que subverte o próprio carácter intrínseco de uniformização.

As árvores da capital do país passam a ser geridas pela casuística e aleatoriedade de cada autarquia - a CML e 24 JF - e de "quem tenha a competência delegada" (ipsis verbis).

Na Reunião Pública da CML, em 26 de Julho, pela intervenção de Inês Beleza Barreiros, foi detalhada a ineficácia e entropia desta (Des)Regulamentação aprovada em sede da AML, sugerindo-se - com exemplos concretos -, ao Presidente e Vereadores da CML, um imprescindível repensar da reforma administrativa da cidade para com o seu coberto arbóreo.

Vídeo: Reunião Pública da CML 26_07_2017 - Plataforma em Defesa das Árvores (por Inês Beleza Barreiros)

Vídeo: Reunião Pública da CML 26_07_2017 - Plataforma em Defesa das Árvores (respostas Presidente e Vereadores)

Artigo no "Público": https://www.publico.pt/2017/07/27/local/noticia/muita-parra-pouca-uva-regulamento-das-arvores-de-lisboa-fica-adiado-para-o-proximo-mandato-1780455

Querem abater estas 19 árvores!

Tudo é permitido nesta cidade sem leis e sem nenhum respeito pelas árvores. Onde estão os relatórios que atestam o mau estado de saúde de tantas árvores ao mesmo tempo? Onde é que está a sensatez dos homens  que governam Lisboa como se tudo fosse descartável? 






quarta-feira, 19 de julho de 2017

Pedido de Esclarecimento enviado a todos os/as candidatos/as à CML




A Plataforma em Defesa das Árvores enviou cinco perguntas a cada um dos candidatos à CML 
sobre as propostas contidas no programa eleitoral dos partidos pelos quais concorrem 
no que diz respeito às árvores e aos espaços verdes da cidade, 
por forma a que os cidadãos sejam esclarecidos e votem em consciência.


sexta-feira, 23 de junho de 2017

Ainda o abate de árvores na Cidade Universitária:


Onde param os relatórios fitossanitários para cada uma das árvores? Há projecto de paisagismo? Qual? Quem assinou tal coisa? Pois parece que foram 3 oliveiras e não 1 a serem abatidas...

E que pelo menos 1 dos cedros não parece seco ou parece?


E parece que foram pelo menos 2 pinheiros a serem abatidos. Este aqui, coitado, estava a ameaçar transeuntes!

Fotos via frequentador do espaço

Pedido de classificação de IM para tipuanas do Curry Cabral


Fotos de Rui Plácido

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Não! Não nos podemos dar ao luxo de abater árvores para que no seu lugar se estacionem automóveis.

E quando o exemplo parte de uma universidade, o caso torna-se ainda mais grave.



Abate em curso nos terrenos da Cidade Universitária de Lisboa

O alerta recebido hoje na Plataforma: 

"(...) A intervenção estava esta tarde em curso sem que tivesse sido demarcado e assinalado um perímetro de interdição à circulação de transeuntes, pelo que os mesmos (como eu) circulavam debaixo de árvores a que estavam a ser cortadas ramadas de grande porte, com risco de serem apanhados pela queda das mesmas. Apresentei queixa à polícia municipal e mantive-me no terreno impedindo a continuação dos trabalhos até que fosse colocada sinalização que impedisse a circulação de pessoas no perímetro intervencionado. Fui informada por funcionários da reitoria da UL e da FLUL que o abate das árvores faz parte de um projeto para construção de um parque de estacionamento para a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Estou chocada e indignada perante mais um atentado contra o arvoredo da cidade. O espaço que irá ser alcatroado é um espaço verde de grande beleza. As árvores são magníficas e saudáveis. "


O pedido de esclarecimento enviado à Reitoria da Universidade: 


Aguardamos esclarecimentos!